PAURA lança documentário sobre a última turnê europeia

Paura 2012 @ Foto por: Wander Willian

Paura 2012 @ Foto por: Wander Willian

Essa semana o Paura disponibilizou na internet o documentário que filmaram em sua última turnê europeia. Intitulado de “Paura do 3º Mundo”. O idealizador do projeto Juliano Peleteiro é amigo da banda, acompanha o trabalho dos caras de longa data. Nessa empreitada o cara tomou a frente de tudo que se refere a produção, desde a captação, direção, edição e finalização do material.
O vídeo mostra todo o processo de uma turnê de bandas de hardcore. Às vezes as pessoas acham que viajar pra europa para tocar são só mil maravilhas. O documentário vai desmistificar isso, mostrando os problemas enfrentados lá na terrinha, receptividade que os brasileiros têm e bate papo com os promotores. A ideia é bem interessante, pois abre a cabeça pra quem pensa em um dia se aventurar por aquelas bandas, mostra que com comprometimento e um pouco de profissionalismo tudo é possível. O material é bem editado, simples em questão de recursos, mas nada que comprometesse a sua qualidade, além de tudo é explicativo.

Se você é leigo sobre a banda, aqui no Sujeira você encontra uma entrevista bem legal que eu fiz com os caras.

Assista o documentário aqui

Uma observação. Apesar dos EUA estarem tomando a cena mundial, vendo esse vídeo percebe-se que nós estamos em um mesmo nível comparado a bandas estrangeiras, no quesito competência em fazer música poderosa, porém o RG não constando América do Norte (usa) as coisas continuam mais complicadas. O hardcore é isso, nunca desistir, uma banda com 16 anos de estrada tocando som pesado, em um país de terceiro mundo, que nunca reconheceu esse tipo de som, só pode ser por vontade e amor mesmo. O fato é que ninguém é obrigado apreciar, mas aprenda a separar o medíocre daquilo que você não gosta, existe uma linha bem extensa entre esses dois.

Contato do Juliano: julianopeleteiro@gmail.com

Verdurada de 08/04 supera as expectativas.

Imagem

Verdurada 08/04/2012

Domingo de sol em São Paulo, dia 8 de abril de 2012, vai começar mais uma verdurada, hardcoreanos de todos os cantos do Brasil e da cidade começam a aparecer na porta. Essa edição do evento veio pra agradar deus e o mundo, tocando bandas de diversos estilos do rock independente, mas precisamente no punk (claro), desde o mais sujo grindcore até o punk rock melódico mais carinhoso, como esperado o show foi um sucesso do começo ao fim…

Parecendo mais uma celebração entre amigos, assim foi o show do Days of Sunday, banda que abriu o domingo de hardcore na Verdurada. A banda fez um set que mesclava músicas novas com as da demo lançada em 2010. Os meninos abriram o show com “Glue”, som clássico da banda de hardcore SSDecontrol, de Boston, com a presença de uma garota no vocal (Carol Mags), indo na contra mão da idea que o som pesado e furioso é feito só pra meninos. O público foi a delírio em diversas parte do show, não faltaram stage dive’s, dedos apontados e ideias espertas dadas pelo vocalista Welligton. O show foi muito intenso do começo ao fim, por terem sido primeira banda, foi muito melhor do que o esperado.  Para finalizar a apresentação efechar com chave de ouro – no melhor estilo “Racionais Mc’s” – o palco se aglomera de amigos e simpatizantes da banda e tocam o feroz cover de Warzone “Don’t forget the strugle, Don’t forget the Streets” deixando fora de cogitação a possibilidade de qualquer ser vivo que permanecia quieto naquele ambiente permanecer parado.

Foto por: I Hate Flash

Foto por: I Hate Flash

Foto por: I Hate Flash @ São Paulo Crew no palco, Warzone cover.

Vídeo Days of Sunday:

Clearview sobe ao palco, favoritos entre os amantes da dança violenta, o show dos caras com certeza foi o mais violento se tratando de mosh pit.  A banda mostrou muita competência no palco, sem muita política no discurso, mas sempre com bastante carisma. Com o som cru e sujo, influenciados pela velha escola do hardcore de NY e por bandas pós 2000 como Terror, o quarteto fez com que entusiastas do estilo não parassem um segundo sequer. Os caras mandaram um set bem variado, tocando sons do seu primeiro álbum e de seu último lançamento, fazendo com que a molecada gritasse em meio aos 2steps lançados no pit. Um presente para os apreciadores da velha escola foi o cover de “Take a Stand” do Youth of Today, que deu uma acordada nos poucos que estavam dispersos e aumentou a fúria de quem já estava na adrenalina do show. Os caras foram lá e deram o recado certo.

Foto por: Breno Carollo

Foto por: Breno Carollo

Foto por: Breno Carollo


Vídeo Clearview:

Pela segunda vez nos palcos da Verdurada, diretamente de Blumenau, o Nunca Inverno veio e não deixou a desejar. Banda carismática, bem polítizada. Os caras tocam um punk rock melodioso cheio de guitarras influênciados pela escola de hardcore da dischord, Dag Nasty é explicito em suas influências. A banda conta com um vocalista que não carrega muita melodia em suas cordas vocais, mas tem uma presença que transforma isso em detalhe. O público foi todo para frente do palco, abafando o som da banda cantando junto em todos os refrões, o palco mais parecia um trampolim comunitário, todos esperando a vez de pular no stage, amigos subindo e dando beijos nos integrantes e etc. O ano 2012 coincidiu com os cinco anos que os caras não tocavam na Verdurada de São Paulo, então fizeram um set mais longo com covers de clássicos do hardcore americano. Os meninos do Sul deram de brinde dois sons foderosos do Bad Brains pra galera, que quase desmontou o palco, fizeram uma apresentação digna e que por mais longo que tenha sido o show, passou longe de ser cansativo.

Foto por: I Hate Flash

Foto por: I Hate Flash

Love. Foto por: I Hate Flash

A palestra pode ser realizada, o palestrante teve um problema  em campinas e não pode chegar a tempo.

Para os ouvidos sensíveis essa foi a pior parte do show. A cor do público começa a escurecer e as jaquetas com patch começam a brotar no meio da galera. Entra o Facada no palco, brutalidade sonora é pouco para descrever o show desses caras. Diretamento do Ceara a banda mostrou ser muito mais absurda ao vivo do que em suas gravações, grindcore cru e reto. O trio assustou a molecada que não esperava aquele tipo de som, fazendo os mais leigos no assunto se perderem diante dos riffs e se abismar com o blast beat sanguinário executado pelo batera. A banda levou um público bem específico que entrou pra ve-los e logo foi embora. O facada fez a pulsação dos presentes aumentar a cada música. Desde os seus contemporâneos até os mais jovens não arredavam pé da frente do palco do começo até o fim do show, bangueando ou se esbarrando, degustando o mais aniquiladora apresentação do trio cearense, que soa clichê, mas pode  ser inserida facilmente na lista dos nomes para ser trilha sonora do fim do mundo.

Foto por: Tiago Rossi

Foto por: Tiago Rossi

Bangueando. Foto por: Tiago Rossi

Vídeo Facada:

Entra no palco a banda mais esperada da noite. Em meio a polêmicas virtuais e desmascaradas dias antes do show, o Rvivr sobe ao palco trazendo alegria para todo ambiente. Com sorrisos estampados no rosto os músicos não escondiam a felicidade que sentiam naquele momento. Um punk rock carregado de melodia, vocal feminino e masculino se encontrando no meio das músicas, letras politizadas e muita purpurina. A frente do palco da Verdurada se enchia de garotas, feministas à flor da pele, com cartazes de agradecimento à banda, pelo suporte que dão as mulheres. Rvivr fez um show épico, as vozes do público acompanhavam cada estrofe das músicas, o show levou o ambiente a um pico de harmonia, fazendo com que as pessoas se abraçassem, cantassem juntos deixando intimo qualquer estranho que estivesse ao lado. Nada de rodas de hardcore, stage dive’s até rolaram, porém em baixa quantidade. Uma das mensagens do vocal foi “vamos se divertir, mas de forma que ninguém se machuque”, não houve problema algum, todos entenderam o recado e fizeram o show deles mais do que especial. O quarteto tocou quase uma hora, voltaram duas vezes a pedido do público, fecharam o show com uma ‘confraternização’ no palco entre meninos e meninas, dançando e cantando suas músicas como se não houvesse amanhã.

Foto por: I Hate Flash

Foto por: I Hate Flash

Foto por: I Hate Flash @ Festa no palco!

Vídeo Rvivr

Caso não conheça alguma das bandas ou nenhuma, simples, só clicar nos nomes das bandas que estão em negrito, tem o link de seus respectivos sites. Para mais informações sobre a Verdurada: www.verdurada.org